Mãe, padrasto e namorado de menina de 13 anos são indiciados por estupro de vulnerável

Por G1 Tocantins 20/09/2019 - 10:18 hs

Três pessoas foram indiciadas pela Polícia Civil por estupro de vulnerável contra uma menina de 13 anos em Nova Olinda, norte do Tocantins. Vão responder pelo crime a mãe e o padrasto da criança, além de um homem que teve um relacionamento com a menina. A investigação foi feita pela 33ª Delegacia da Polícia Civil.


De acordo coma investigação, entre o fim de 2018 e início de 2019, a menina iniciou um relacionamento com um homem de 26 anos em Nova Olinda, norte do Tocantins. Na época ela tinha apenas 12 anos.


Segundo o delegado Luís Gonzaga da Silva Neto, responsável pelas investigações, a mãe e o padrasto da menina inicialmente não tinham conhecimento do namoro. Depois, eles ficaram sabendo e acabaram autorizando a adolescente a morar com o homem em uma chácara.


Ainda conforme o delegado, a adolescente ficou com medo do namorado e dos pais serem presos e por isso resolveu terminar relacionamento. Antes disso, a mãe dela se arrependeu de ter aceitado o namoro e registrou um boletim de ocorrência, além de procurar o conselho tutelar.


A mulher alegou que a filha tinha saído de casa para morar com um homem sem a sua permissão. Porém, as investigações apontaram que ela e marido, de 57 anos, tinham aceitado o relacionamento. "A mãe e o padrasto da vítima foram indiciados por serem coniventes com os abusos sexuais sofridos pela sua adolescente", afirmou o delegado.


O então namorado da vítima, assim como a mãe e o padrasto foram indiciados por estupro de vulnerável. Isso porque a prática de ato sexual ou qualquer tipo de ato libidinoso com menores de 14 anos são considerados crime pela legislação brasileira ainda que exista consentimento.


Se condenados, os três podem pegar até 15 anos de prisão. O caso agora foi encaminhado ao poder Judiciário e ao Ministério Público.